Notícias
29.04.2013 Planejamento da Aprovale valoriza território, infraestrutura e DO


Entidade deve trabalhar em ações visando a Copa do Mundo e seu legado com a possível recepção de uma das seleções participantes.

Melhorias na infraestrutura, valorização da Denominação de Origem e do território, formas de incrementar receitas e investir em enoturismo e o apoio ao desenvolvimento vitícola e do pequeno produtor. Estes serão alguns dos elementos norteadores da Associação de Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos (Aprovale) nos anos de 2013 e 2014. As propostas de ações foram aprovadas em Assembleia Geral Ordinária com associados.

“Teremos uma Copa do Mundo no Brasil em 2014 e Bento Gonçalves, mais especificamente o Vale dos Vinhedos, deve receber uma seleção. Essa grande oportunidade de incremento e, eu diria, revolução no enoturismo da região, precisa de atenção especial. Por isso, é preciso pensar rapidamente em questões ligadas a infraestrutura, ao desenvolvimento de atrativos e em nossa base: o produtor”, destacou o presidente da Aprovale, Juarez Valduga.

Para cumprir com os objetivos já tiveram início mobilizações solicitando melhorias nas margens da RS 444, a implementação da ciclovia que cortará a região produtora, a construção de calçadas e passeios públicos, além da instalação de um pórtico de entrada com posto de informações turísticas e de uma unidade da Polícia Militar no Vale dos Vinhedos. O antigo sonho de construção do Museu do Vinho e a valorização da Denominação de Origem (DO), obtida em 2012, também focarão as ações da entidade.

Paralelamente às ações de implementação de novos atrativos e melhorias na infraestrutura, a diretoria da Aprovale deve dar início a um processo de pressão pública e política em torno da criação de legislações específicas para ocupação de áreas no Vale dos Vinhedos. Esse trabalho será feito junto às prefeituras dos três municípios que integram a região vitivinícola: Bento Gonçalves, Garibaldi e Monte Belo do Sul.

“Em 2012 o Vale dos Vinhedos foi transformado em Patrimônio Histórico do Rio Grande do Sul, por meio de uma ação da diretoria que nos antecedeu. Precisamos continuar esse processo de proteção a nossa cultura vitivinícola e implantar legislações específicas a partir de agora para permitir que, por exemplo, apenas condomínios vinícolas sejam instalados”, ressaltou Valduga.

O Vale dos Vinhedos
Com mais de 30 vinícolas associadas, além de outros 39 estabelecimentos, entre restaurantes, artesãos, produtores coloniais, hotéis e pousadas, o Vale dos Vinhedos abriga algumas das principais vinícolas do país e foi o responsável por abrir novas fronteiras ao vinho brasileiro, com a criação da primeira Indicação Geográfica (IG), reconhecida pela União Europeia em 2007, e estabelecer, em 2012, a primeira Denominação de Origem (DO) de vinhos nacionais.

Atualmente, o Vale dos Vinhedos responde por cerca de 20% de todo vinho fino e de 25% dos espumantes elaborados no Brasil, com uma produção de 12 a 14 milhões de garrafas/ano. Na região estão 450 propriedades produtoras de uvas e empreendimentos que empregam mais de 1,2 mil pessoas. Desde o reconhecimento da IP Vale dos Vinhedos, em 2002, ocorreu uma forte valorização imobiliária na região, com índices entre 200% e 500%, a melhoria nos padrões tecnológicos e o reconhecimento de mercado aos vinhos produzidos no Vale. Nos últimos 11 anos, o número de turistas que visitam a região multiplicou, passando de 45 mil, em 2001, para quase 250 mil, em 2012.

Foto: Gilmar Gomes



Voltar